A singulariade do evangelho | Gálatas 1.1-9.

Introdução

Certos de que devemos ir por todo o mundo e pregar o evangelho a toda à criatura, também precisamos ter bem definido o evangelho pelo qual vivemos e acreditamos. Estamos cercados por diversidade. Ela é de tal forma que, muitas vezes, nos encontramos travados em algum momento por conta da difícil decisão que precisamos tomar.

Infelizmente ela também está nas igrejas, quando se trata da mensagem do evangelho. O local onde o Senhor e a mensagem pregada deveriam ser únicos, também há diversidade. Há por exemplo, as igrejas que pregam o “evangelho da prosperidade” e ensinam que Jesus é a chave para o sucesso material. Há igrejas que pregam o “evangelho da família” e apontam Jesus como o caminho para um lar feliz. Há ainda as igrejas que pregam o “evangelho do bem-estar pessoal” e apresentam Jesus como o antidepressivo que promove o “sentir-se bem”. Há também igrejas que pregam o “evangelho da saúde” e que ensinam que Jesus é a cura para todas as doenças do mundo.

O livro de Gálatas trata da libertação que Cristo concede aos cristãos. Os gálatas foram tentados por legalistas judeus a trocar essa libertação e voltar à escravidão sob a lei (2:4). Por meio da carta aos gálatas, Paulo encoraja os cristãos dizendo: “Permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão” (5:1); antes, eles deveriam assumir sua posição de liberdade em Jesus Cristo.

Como vivemos num ambiente de diversidade perigosa, precisamos conhecer e desfrutar a singularidade do evangelho. Como o apóstolo Paulo defende e apresenta a singularidade do evangelho aos cristãos da Galácia?

i. Apresentando o receptor do evangelho – v.1a-3a.

Paulo defende o seu apostolado; e faz isso não por vaidade ou por querer alimentar o seu ego, mas por causa do evangelho. Para testificar que o evangelho que está apresentando é de fato singular, ele diz que é o receptor do evangelho por eleição divina, e não humana. O que está em jogo não é apenas o apostolado de Paulo, mas a mensagem que ele prega; por isso ele diz que a mensagem do evangelho que prega não é fruto da mente do homem, mas de Cristo Jesus e Deus, o Pai.

O invés de estarmos preocupados com nossas posições no reino de Deus, precisamos nos preocupar com a mensagem do evangelho a ser pregada, se de fato ela está sendo entregue da mesma maneira que recebemos de Cristo Jesus. Nós somos os responsáveis não apenas de entregar a mensagem, mas também de mantê-la como recebemos e defende-la dos falsos mestres que estão pervertendo a mente das pessoas com seus falsos ensinos.

O apóstolo Paulo ainda defende a singularidade do evangelho aos cristãos da Galácia…

ii. Apresentando a centralidade do evangelho – v.1b-3b.

O evangelho bíblico tem um único Senhor – Jesus Cristo. Jesus é a razão inicial e última do evangelho. Evangelho onde Cristo não é a centralidade, não é evangelho. Pregação da Palavra de Deus sem apresentar Jesus Cristo como tema central, não é o evangelho bíblico. As Escrituras começam apresentando Jesus ao lado de Deus criando todas as coisas, no livro de Gênesis, e termina apresentando Jesus Cristo assentado no seu mais alto e sublime trono, e os anjos adorando – no livro de Apocalipse.

A igreja precisa compreender que o evangelho singular fala de um único Deus e Senhor. Apresenta um único salvador e libertador. Não há mais necessidade de sacrifícios que substitua os ofertantes no altar, Cristo já pagou o mais alto preço e já consumou a obra – Ele é o centro de tudo.

O apóstolo Paulo continua defendendo a singularidade do evangelho aos cristãos da Galácia…

iii. Apresentando a mensagem do evangelho– v.4-5.

Paulo diz que a mensagem do evangelho fala daquele que entregou a si mesmo pelos nossos pecados. A mensagem do evangelho diz que Jesus fez isso não para termos vitórias nesta vida que conhecemos, mas para nos resgatar deste mundo perverso. A mensagem do evangelho diz que tudo isso aconteceu segundo a vontade de nosso Deus e Pai. O resultado será de glória pelos séculos dos séculos para aquele que fez todas essas coisas.

Pregar o evangelho e não falar da obra redentora de Cristo, então não se pregou o evangelho. Falar de vitórias apenas pra esta vida, então o evangelho não foi compreendido. Ensinar todas as coisas como Cristo ordenou aos seus discípulos é falar do resgate de nossas vidas pelo sacrifício e entrega de nosso Redentor; é falar do perdão de pecados apenas como fruto da graça de Deus, e não de obras; é saber que temos paz da parte de Deus, mediante Cristo Jesus nosso Senhor.

O apóstolo Paulo continua dizendo que o evangelho é singular porque é o verdadeiro, e faz isso…

iv. Defendendo o verdadeiro evangelho – v.6-7.

Paulo não esconde a sua insatisfação com os cristãos aos Gálatas por estarem, tão depressa, se deixando levar pelos falsos ensinos. Ele é tão direto que diz que “outro evangelho” nem mesmo é evangelho. Só há um evangelho verdadeiro, o que fala e exalta a Cristo Jesus e sua obra.

O apóstolo Paulo finaliza dizendo aos cristãos da Galácia que deveriam permanecer…

v. Perseverando no verdadeiro evangelho – v.8-9.

O evangelho que receberam deveria permanecer na mente e nos corações deles. Nada deveria mudar ou substituir o evangelho na vida deles. Paulo é tão preocupado com isso que diz: “… ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema”. Veja que o apóstolo também se inclui em suas palavras “ainda que nós”; ele está ensinando que só existe um evangelho verdadeiro; mesmo que um dia ele mude de ideia, que quase que impossível, que eles não o recebessem porque o evangelho é singular.

Conclusão

O evangelho bíblico é libertação. O falso nos prende quando nos oferece a salvação com condições, e nem sempre conseguimos atender as condições dos falsos evangelhos. Por exemplo: não podemos dar todo o dinheiro que eles pedem. Não podemos obedecer a todas as suas regras. Não podemos atender a todos os seus caprichos. E quando não conseguimos cumprir as condições, podemos sentir-nos condenados ou culpados.

O evangelho bíblico não tem condições. Foi Deus o Pai quem planejou a nossa salvação quando ainda nem éramos nascidos. Foi Deus Filho quem se entregou a si mesmo para nos salvar da justiça de Deus e nos livrar desta era perversa. Foi Deus Espírito Santo quem abriu nossos olhos para contemplar a beleza inigualável do evangelho, nos ressuscitando da morte para a vida eterna com Cristo. Esse é o verdadeiro e singular evangelho!

Publicado por Pr. Luiz de Souza

Não ousaria me definir em frases prontas ou palavras que prefiguram alguém que ainda esta em construção. Vivo para que Deus seja conhecido e busco conhecer cada vez mais esse Deus. Minha gratidão é plena ao ser alcançado e resgatado por Jesus, e por isso vivo para que Ele cresça e eu diminua cada vez mais. Pois "A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo". [Ef 3.8]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

bombasonica

busque evolução e se liberte!

RACHEL SHEHERAZADE

Sermões | Artigos | Devocionais

Consciência Cristã

Sermões | Artigos | Devocionais

O Tempora, O Mores

Sermões | Artigos | Devocionais

Voltemos Ao Evangelho

um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

jonasmadureiradotcom.wordpress.com/

"Quebre os grilhões da cela, mas não se assuste se o prisioneiro não sair, talvez a cela seja absurdamente confortável."

Renato Vargens

Sermões | Artigos | Devocionais

%d blogueiros gostam disto: