SÉRIE: BEM-AVENTURADOS #2

TEXTO BÍBLICO: Mateus 5.3 [ARA]

Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus.

A humildade de espírito.

INTRODUÇÃO

O mundo diz exatamente o oposto. Ele diz: “Bem-aventurados são os ricos; os que estão sempre sorrindo;”. Jesus diz: “Bem-aventurados são os pobres […] os que choram […] os mansos“. Essa dicotomia de vida está presente em nossos dias e continuará até a Vinda de Cristo.

Embora a palavra “humilde” no texto signifique (πτωχος ptochos) “reduzido à pobreza”, ela melhor se aplica diretamente com respeito ao seu espírito, pois o texto é claro em dizer que esses são felizes por causa da condição de espirito que se encontram.

A condição exterior do homem pode até ser muitíssimo invejável nesta vida; no entanto, no final, ela se desvanece como um sonho. Apenas aqueles que sua condição interior esteja naquele que é Eterno, mesmo que também tenham riquezas exteriores, permanecerão e habitarão na casa do Senhor.

Jesus não proclama que essas pessoas são bem-aventuradas em virtude de serem pobres de bens materiais, ainda que, em sua maioria, também o sejam. São chamadas de bem-aventuradas por serem pobres em espírito, não em espiritualidade, porém “com respeito a” seus respectivos espíritos; ou seja, são aquelas que se convenceram de sua pobreza espiritual. Tornaram-se conscientes de sua miséria e necessidade. Seu velho orgulho foi quebrado. Puseram-se a clamar como o publicano ajoelhado no templo batendo no peito: “… Ó Deus, sê propício a mim, pecador” (Lc 18.13).

Ser pobre materialmente falando, não é uma coisa que seja fruto da graça de Deus, pois Ele provê todas as coisas para o sustento do Seu povo, inclusive com a saúde, o vigor e a certeza do trabalho como meio de manter a sua casa. Em parte alguma as Escrituras ensinam ser a pobreza algo tão bom assim.

Um homem pobre não está mais próximo do reino dos céus do que um homem rico, se é que estamos falando deles como homens naturais. Não há mérito nem vantagem na pobreza. A pobreza não serve de garantia da espiritualidade. Nosso Senhor visava aqui ao espírito, a certa humildade do espirito. Em outras palavras, o que está em foco aqui é a atitude de uma pessoa para consigo mesma. Isso é o que realmente importa, e não se essa pessoa é rica ou pobre.

O QUE NÃO SIGNIFICA SER “HUMILDE DE ESPÍRITO”?

Ser humilde de espírito não quer dizer que deveríamos ser tímidos, retraídos, fracos ou acovardados. Vejamos:

  1. Ser humilde de espírito não é ser tímido; é antes de tudo, reconhecer a sua limitação e, com base neste conhecimento, buscar ajuda para vencer este obstáculo. É rogar ao Senhor como Moisés: “… Se a Tua presença não vai comigo, não nos faças subir deste lugar” (Êx 33.15).
  2. Ser humilde de espírito não significa se acovardar; mas, encarar os desafios da vida cristã com a certeza de que Cristo está conosco como nosso Refúgio e Fortaleza; além de saber que Ele já venceu todas as coisas, e que nele podemos todas as coisas (Fl 4.13; Mt 28.20, Sl 46.1).
  3. Ser humilde de espírito não significa ser fraco; mas, mesmo em condições onde não encontramos forças para vencer as tentações, o Espírito de Deus que está em nós milita contra a nossa carne. Desta maneira, nossa humildade espiritual atuará reconhecendo que precisamos do Espírito de Deus (Gl 5.17).
  4. Ser humilde de espírito também não é usar de falsa modéstia; Há aqueles que se escondem de trás de uma falsa modéstia para “parecer” humildes. Se dizem prontos e aptos para servir quando na verdade só querem serem vistos e mostrar suas habilidades. Ser humilde de espírito é estender as mãos sem que a outra saiba disso; é contribuir sem que os outros saibam (Mt 6.1-4).

A humildade de espírito não está naquilo que fazemos para os outros verem; mas no que fazemos, mesmo que ninguém veja, mas todos são beneficiados.

O QUE SIGNIFICA SER ALGUÉM “HUMILDE DE ESPÍRITO”?

A primeira coisa que precisamos nos lembrar é que nenhuma das qualidades mencionadas nas bem-aventuranças são características naturais nos homens, ou seja, os humildes de espíritos não são aqueles que já nasceram assim; mas, apenas aqueles que estão sendo revestidos do novo homem criado em Cristo Jesus; aqueles que são capazes de dizer: “… já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim…” (Gl 2.20); aqueles que receberam o Espírito de Deus e foram revestidos de Seu Fruto.

Podemos usar o exemplo de Pedro para falarmos de humildade de espírito. Pedro, um homem por natureza agressivo e autoconfiante; mas, ao se encontrar com o Senhor, prostrou-se aos pés de Jesus e disse: “Senhor, retira-te de mim, porque sou pecador” (Lc 5.8).

Também podemos usar o exemplo de Jesus que, mesmo sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia se apegar (Fp 2.6 [NVI]). Jesus resolveu que enquanto estivesse nesse mundo, viveria como um mero homem, ainda que jamais tivesse deixado de ser Deus.

A pessoa que é humilde de espirito não depende do dinheiro ou de quaisquer riquezas de que porventura seja possuidora. Se somos humildes de espírito, então não dependemos da educação recebida, nem da escola ou faculdade particular que tivermos frequentado.

Ser humilde de espírito é sentir que nada somos, que nada temos, e também que olhamos para Deus em total submissão a Ele, dependendo inteiramente de Sua misericórdia e de Sua graça. Ser humilde de espírito é agir conforme a nova vida em Cristo; é se submeter a vontade de Deus; é reconhecer nossa limitação; é amar como Deus amou; é perdoar como Deus perdoou; é permanecer firme na fé que nos salvou e transformou nossa vida; é nos render diante de Deus e obedecer à Sua voz eternamente.

CONCLUSÃO

Para aqueles que agirem com esta convicção, deles é o reino dos céus. O primeiro resultado daquele que é humilde de espírito é ser participante do reino dos céus. Isso só é possível para aquele que vive por meio do Espírito daquele que é SENHOR do céu. Essas dádivas só recaem sobre aqueles que receberam o Herdeiro de todas as coisas, o Filho de Deus, Jesus Cristo. Receber o reino dos céus como resultado de uma vida em humildade de espírito é pertencer a Deus, na vida de Seu Filho Jesus, no mover de Seu Espírito Santo, ou seja, é pertencer, viver e ser movido pelo SENHOR dos céus. Portanto, sejamos todos humildes de espírito, em Cristo Jesus.

Publicado por Pr. Luiz de Souza

Não ousaria me definir em frases prontas ou palavras que prefiguram alguém que ainda esta em construção. Vivo para que Deus seja conhecido e busco conhecer cada vez mais esse Deus. Minha gratidão é plena ao ser alcançado e resgatado por Jesus, e por isso vivo para que Ele cresça e eu diminua cada vez mais. Pois "A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo". [Ef 3.8]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

bombasonica

busque evolução e se liberte!

RACHEL SHEHERAZADE

Sermões | Artigos | Devocionais

Consciência Cristã

Sermões | Artigos | Devocionais

O Tempora, O Mores

Sermões | Artigos | Devocionais

Voltemos Ao Evangelho

um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

jonasmadureiradotcom.wordpress.com/

"Quebre os grilhões da cela, mas não se assuste se o prisioneiro não sair, talvez a cela seja absurdamente confortável."

Renato Vargens

Sermões | Artigos | Devocionais

%d blogueiros gostam disto: