SIMÃO PEDRO: O pescador de homens.

TEXTO BÍBLICO: Lucas 5.1-10 [ARA].

INTRODUÇÃO

Nenhum outro personagem neotestamentário causa tão profunda impressão no coração do leitor bíblico quanto esse impulsivo pescador galileu, cuja fervorosa devoção em servir seu Mestre o fez tornar-se um dos mais destacados e celebrados obreiros do evangelho em todos os tempos[1].

A relevância de Pedro para a história da Igreja se faz sentir na própria ordem da lista dos apóstolos. Embora a sequência desses nomes varie conforme as citações dos evangelistas, dois dos discípulos são sempre apresentados na mesma ordem: o primeiro e o último. Se, para os autores sinópticos, o lugar de ignomínia e de vergonha pertence ao abjeto Judas Iscariotes, por outro lado, a proeminência dentre os doze cabe a Simão, chamado Pedro.

Nas quatro listas bíblicas são apresentados os nomes dos mesmos 12 homens, sendo impressionante a semelhança na ordem em que aparecem. Pedro é o primeiro nome nas quatro listas. Assim, ele se destaca como líder e porta-voz de todo grupo dos Doze[2].

Em todas as listas disponíveis nas Escrituras com os nomes dos Doze, temos algo interessante a ser observado. Perceba que há uma organização na lista dos Doze divididas em quatro grupos com três discípulos em cada. O que nos chama atenção sobre isso é o fato de que, mesmo o grupo sendo pequeno, Jesus ainda assim lida com eles em grupos menores, mostrando duas coisas: 1) que é impossível dar atenção a todos de igual maneira, mesmo sendo pequeno o grupo; 2) que é importante o trabalho em equipe, mesmo que cada um tenha suas particularidades, Jesus une todos no mesmo projeto, embora em grupos pequenos, mas com os mesmos ideais.

John MacArthur (2016, Pág. 53) ainda diz que “Se Cristo, em sua perfeita humanidade, não podia oferecer quantias iguais de tempo e energia a todos que chamou para seu redor, nenhum líder deve esperar fazê-lo”.

O que precisamos nos perguntar diante das Escrituras é: Quem era Simão Pedro? Como foi seu chamado? O que podemos aprender com o seu Caráter? E como ele cumpriu seu chamado na missão que Cristo lhe dera?

Veremos, à luz das Escrituras, algumas respostas importantes a respeito de Simão Pedro que nos ajudarão a sermos cristãos melhores e compreender que também somos chamados para sermos pescadores de homens.

QUEM É SIMÃO PEDRO?

Simão era um nome bastante comum. Há pelo menos sete Simões só nos relatos dos Evangelhos. Dentre os Doze, havia dois discípulos chamados Simão (Simão Pedro e Simão, o Zelote). O nome completo do Simão que estamos estudando era Simão Barjonas (Mat 16:17) que significa “Simão, filho de Jonas”. O pai de Simão Pedro era João, que às vezes era traduzido como Jonas. O Senhor acrescentou à Simão outro nome.

O evangelista Lucas (6:14) não diz que Jesus deu outro nome a Simão, ele diz que Jesus “acrescentou” o nome de Pedro. Pedro era uma espécie de apelido. Significa “rocha”, petros é a palavra grega para “um pedaço de rocha, uma pedra” (João 1:42).

Simão Pedro era pescador profissional. Ele e seu irmão André eram herdeiros de um comércio de pesca em Cafarnaum. Pescavam peixes no mar da Galileia. Simão Pedro era casado. Em Marcos 1:29-31 Jesus curou a sogra dele.

O nome de Pedro é mencionado mais do que qualquer outro nome nos Evangelhos, exceto o de Jesus. Ninguém fala com tanta frequência quanto ele e nem o Senhor dirige-se tantas vezes a outro como a Pedro. Dentre todos os apóstolos apresentados no Novo Testamento, Pedro é – ao lado de Paulo – aquele sobre quem mais relatos dispomos.

Simão Pedro é um homem comum e simples como eu e você que tinha seu trabalho, sua casa, sua família e seus amigos, porém, era um homem que foi chamado e comissionado por Jesus para uma missão ilustre e singular – pescador de homens.

O CHAMADO DE SIMÃO PEDRO.

Simão Pedro é conduzido a Cristo pela instrumentalidade de André, seu irmão (João 1;40-42). Esse foi o primeiro encontro e contato com Jesus que Simão Pedro experimenta; após esse encontro eles retornam às suas atividades cotidianas nas redondezas do mar da Galiléia. Algum tempo depois, tornariam a encontrar seu futuro Mestre; dessa vez, em caráter definitivo (Mar 1:16-18).

Curiosamente, o evangelista Lucas narra está passagem que fala do encontro de Jesus com Simão Pedro de um modo diferente (Lucas 5:1-11); comentaristas dizem que o evangelista Lucas “complementa” a descrição de Mateus e Marcos, apresentando os detalhes que envolveram a chamada de Simão Pedro.

Curiosamente, Simão Pedro após uma noite inteira lançando as redes sem pescar nada, agora é chamado a lançar mais uma vez. Ele poderia dizer que era profissional e que conhecia aquele mar mais do que ninguém; porém, ele diz: “… mas sob a tua palavra lançarei as redes”. Essa atitude demonstra pelo menos duas coisas a nós: 1) A autoridade de Jesus – Luc 5:4; e, 2) reconhecimento da autoridade por Simão Pedro – Luc 5:5.

Interessante observar à que se devia a chamada de Simão Pedro. Jesus diz que Simão Pedro seria “… pescador de homens” (Luc 5:10). Jesus faz uso da linguagem que Pedro entenderia; Ele, de maneira graciosa e soberana, diz que Simão Pedro seria um pescador de homens que seriam enviados pelo Mestre. Veja, Simão Pedro enquanto pescador profissional não pescou nada; Jesus soberanamente o conduz à lançar as redes e, soberanamente, os peixes (homens) vem – são pescados.

O chamado de Simão Pedro diz muito sobre a soberana vontade e poder de nosso Deus – o Pai em Cristo Jesus. Simão Pedro, pescador de peixes, agora é um instrumento nas mãos do Pai em Cristo Jesus. Seu chamado – embora se conclua com o resgate de homens para Cristo – é para lançar as redes; Cristo é quem envia os peixes (homens).

Isto nos ensina que, mesmo que recebamos habilidades e dons da parte de Deus para o cumprimento de sua obra, não podemos nos esquecer de que a obra é do Senhor. Mesmo que sejamos chamados para levar a salvação aos homens perdidos, é Deus quem opera a salvação neste homem.

Simão Pedro, após a ressurreição de Jesus, cheio do Espírito Santo, pôde testemunhar essa verdade para o conselho judaico quando disse “E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” (Atos 4:12). Está mesma verdade é dita pelo profeta Jonas quando diz: “…ao SENHOR pertence a salvação” (Jonas 2:9).

O CARÁTER DE SIMÃO PEDRO.

Simão Pedro é um típico colérico (alguém determinado, com grande capacidade de planejamento, tem muita energia e impulsividade), além de ser um líder nato, também é explosivo.

Foi levado a Jesus por seu irmão André e seguiu sua vida normalmente depois disso (João 1:40-42). Depois Jesus o reencontra e Simão Pedro refuta o pedido d’Ele para lançar as redes, mas no final acata a ideia (Lucas 5:5);

Ele demonstra confiança em Jesus e anda sobre as águas, mas em seguida desconfia e começa a afundar (Mateus 14:22-32). Ele confessa que Jesus tem as palavras de vida eterna e não deseja abandoná-lo (João 6:66-69), mas em outro momento nega que conhece esse mesmo Jesus (Marcos 14:66-72).

Ele confessa que Jesus é o Cristo (o Messias enviado para morrer por nossos pecados) e em seguida nega (Mateus 16:13-23). Ele afirma que morreria por Cristo (João 13:36-36), mas no momento crucial quando Jesus e conduzido pelos guardas, não tem coragem de se apresentar como seu discípulo e segue de longe (Marcos 14:54);

Em um momento não aceita que Jesus lave seus pés, segundos depois pede que também lave as mãos e a cabeça (João 13:4-9). Simão Pedro tem um vislumbre da glória de Jesus na transfiguração e se alegra (Marcos 9:2-10), mas não permite que os guardas leve Jesus para ser crucificado e corta a orelha de Malco, o soldado (João 18:7-11).

É fato a crença de que líderes nascem com certos dons, mas que devem ser moldados e transformados em verdadeiros servos e a liderança fluirá naturalmente. Simão Pedro possuía liderança dada por Deus e isto já estava em sua personalidade desde o princípio.

O caráter explosivo de Simão Pedro e todas as suas particularidades só nos mostram o quanto não somos perfeitos; nem mesmo os pastores que foram deixados para pastorear as ovelhas perdidas do Pai. Simão Pedro era tão necessitado da graça transformadora de Deus quanto nós ainda necessitamos hoje.

CONCLUSÃO

Não podemos cair no erro de pensar que por sermos líderes em nossa comunidade já possuímos a perfeição completa e que somos totalmente incapazes de errar. Nos lembremos o que diz o apóstolo João em sua primeira carta “Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é” (1João 3:2).

Também não podemos cair no erro de pensar que, por não termos características de liderança Deus não nos usa em seu reino. Perceba que Simão Pedro era apenas um pescador de peixe; alguém comum entre muitos iguais a ele; porém, seu irmão o apresenta a Jesus e ao seu nome é acrescentada a palavra Cefas que quer dizer pedra; Jesus estava dizendo que aquele simples pescador, embora duro como uma pedra também seria útil para evangelizar no mundo em nome de Cristo.

Seja qual for o seu temperamento, Deus é poderoso para transformar seu caráter e moldar sua vida e lhe chama para anunciar as boas novas de salvação no mundo que está em trevas. Assim como foi com Simão Pedro, Deus nos chama para sermos pescadores de homens.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

[1] Aramis C. DeBarros, 2006, Pág. 393.

[2] John MacArthur, 2016, Pág. 51.

LOPES, Augustus Nicodemus. “APÓSTOLOS: a verdade bíblica sobre o apostolado”. São José dos Campos, SP. Editora Fiel, 2014.

MACARTHUR, John. “DOZE HOMENS EXTRAORDINARIAMENTE COMUNS: como os apóstolos foram moldados para alcançar o sucesso em sua missão”. Tradução de Suana Klassen – 1ª edição – Rio de Janeiro, RJ. Thomas Nelson Brasil, 2016.

BRUCE, A. B. “O TREINAMENTO DOS DOZE: princípios bíblicos saudáveis para o desenvolvimento da liderança e do discipulado”. 2ª edição – Santo André, SP. Geográfica editora, 2016.

DEBARROS, Aramis C. “DOZE HOMENS, UMA MISSÃO: um perfil bíblico-histórico dos doze discípulos de Cristo”. São Paulo, SP. Editora Hagnos, 2006.

BÍBLIA SAGRADA, BKJ 1611 Copyright 2015 by BV Books, um Grupo da BV Films Editora.

BÍBLIA DE ESTUDO DE GENEBRA, 2ª edição. Barueri, SP. Sociedade Bíblica do Brasil; Editora Cultura Cristã, 2009.

Publicado por Pr. Luiz de Souza

Não ousaria me definir em frases prontas ou palavras que prefiguram alguém que ainda esta em construção. Vivo para que Deus seja conhecido e busco conhecer cada vez mais esse Deus. Minha gratidão é plena ao ser alcançado e resgatado por Jesus, e por isso vivo para que Ele cresça e eu diminua cada vez mais. Pois "A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo". [Ef 3.8]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

bombasonica

busque evolução e se liberte!

RACHEL SHEHERAZADE

Sermões | Artigos | Devocionais

Consciência Cristã

Sermões | Artigos | Devocionais

O Tempora, O Mores

Sermões | Artigos | Devocionais

Voltemos Ao Evangelho

um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

jonasmadureiradotcom.wordpress.com/

"Quebre os grilhões da cela, mas não se assuste se o prisioneiro não sair, talvez a cela seja absurdamente confortável."

Renato Vargens

Sermões | Artigos | Devocionais

%d blogueiros gostam disto: