A vontade Soberana de Deus

INTRODUÇÃO

As Escrituras enfatizam de modo marcante a soberania de Deus. Deus é apresentado como aquele que faz a sua vontade, e essa é a causa última de todas as coisas que há no mundo. Ele não apenas toma as decisões, mas faz vir à existência tudo o que existe no mundo, assim como preserva e governa tudo o que criou. Tudo existe por causa da sua vontade, e tudo vem a existir pelo seu poder. Tudo vem dele e depende dele.

Deus tem a supremacia em tudo porque é soberano sobre os homens e sobre toda a criação. A soberania de Deus é o exercício da sua supremacia. Ela indica que Deus está no trono exercendo seu governo absoluto sobre o universo, de fato e de verdade.

W. Pink (2015, pág. 21-22) faz uma definição do que queremos dizer com a expressão “Soberania de Deus” de maneira clara e completa. Ele diz:

Queremos afirmar a supremacia de Deus, a realeza de Deus, a divindade de Deus. Dizer que Deus é soberano é declarar que Deus é Deus. Dizer que Deus é soberano é declarar que ele é o Altíssimo, o qual tudo faz segundo sua vontade no exército dos céus e entre os moradores da terra… Dizer que Deus é soberano é declarar que ele é onipotente, possuidor de todo o poder nos céus e na terra, de tal maneira que ninguém pode impedir os seus conselhos, contrariar os seus propósitos ou resistir à sua vontade (Sl 115:3). Dizer que Deus é soberano é declarar que ele “governa as nações” (Sl 22:28), estabelecendo reinos, derrubando impérios e determinando o curso das dinastias, segundo o seu agrado. Dizer que Deus é soberano é declarar que ele é o “único Soberano, o Rei dos reis e Senhor dos senhores” (1Tm 6:15). Este é o Deus da Bíblia.

CARACTERÍSTICAS DA VONTADE DE DEUS

  1. A vontade de Deus é essencial nele – A vontade de Deus nunca pode ser separada dele. É verdade que todas as pessoas possuem uma vontade, mas as  Pessoas do ser divino não possuem vontades diferentes, porque a vontade é a expressão da natureza, que é a mesma nas três Pessoas. Assim como a mente de Deus é uma (seja a do Pai, do Filho ou do Espírito), também o é a sua vontade. Mente e vontade são próprias da natureza divina e numericamente são uma  e a mesma nas três Pessoas do Ser divino.
  2. A vontade de Deus é eterna – Se Deus é um ser eterno, tudo o que se relaciona com os seus atributos também é eterno. A vontade de Deus está relacionada com o seu conhecimento. Tudo o que Deus prescreve para que o homem faça foi formulado na sua mente eterna; tudo o que Deus faz na História, foi determinado na eternidade (Atos 15:18). Se o seu conhecimento é eterno, certamente é porque a sua vontade é eterna.
  3. A vontade de Deus é poderosa – A vontade de Deus não pode ser resistida. Ela sempre é vencedora por causa do seu poder (Atos 16:6-10). Deus impediu que Paulo e Timóteo executassem os seus próprios planos porque é o seu plano divino que deve estar em primeiro lugar. A vontade soberana de Deus é poderosa e nenhum ser humano pode contrariá-la, nem no caso de querer fazer o que é certo, como aconteceu Paulo e Timóteo nesse caso. Eles acabaram tendo que fazer o que era a vontade do Senhor. Esta, por ser soberana, prevalece sobre a vontade dos homens.
  4. A vontade de Deus é imutável – A imutabilidade da vontade divina está fundamentada na imutabilidade do seu ser. Nada da vontade de Deus é mudada: nem os seus decretos, nem as suas prescrições para os homens, nem a sua vontade secreta e nem a revelada. Porque Deus não muda, tudo o que é essencial nele também não muda. Nada do que Deus decidiu fazer vai mudar. Ninguém pode fazer Deus voltar atrás ou impedi-lo de concretizar os seus propósitos (Lc 21:33 Sl 119:89).
  5. A vontade de Deus é eficaz – Nunca essa vontade é ineficaz. Ninguém pode ir contra uma ação imediata de Deus, pois essa vontade criadora e recriadora são atos poderosos de Deus que independem dos seres humanos, ainda que estes sejam beneficiários delas. Deus sempre realiza os seus propósitos de modo que sempre faz como lhe agrada e lhe apraz. O seu conselho sempre permanece de pé e sua vontade sempre prevalece. Se outra vontade pudesse se opor a dele, essa outra vontade seria superior a dele e, nesse caso, Deus ficaria impedido por essa vontade, o que contrariaria fortemente a noção de um Deus forte.
  6. A vontade de Deus é nascida somente nele – Nada do que ele deseja, planeja e decide fazer tem os seus motivos fora dele. Nada do que Deus planeja e decide fazer no mundo tem a sua razão no mundo ou nos homens. Se Deus decidiu salvar pecadores foi com motivo nascido na sua bondade. Nada do que Deus fez pelo homem teve a sua razão no homem. A vontade de Deus é independentemente, sendo, portanto, nascida somente nele. Toda a causa de sua vontade está no seu ser, nunca fora dele.

DISTINÇÕES APLICADAS À VONTADE DE DEUS

  1. A vontade decretória de Deus – A “vontade decretória” de Deus é aquela por meio da qual ele ordena ou decreta tudo o que decide que tem de acontecer, seja por meio da sua agência direta, ou mediante a agência irrestrita das suas criaturas racionais. Essa vontade também pode ser chamada de secreta, quando não sabemos nada a seu respeito. Para executar essa sua vontade, ele não consulta a opinião dos homens. Os homens não têm participação nessas suas decisões (Sl 103:20-21; Is 46:9-11; Dn 4:35; Mt 26:42).
  2. A vontade preceptiva de Deus – A “vontade preceptiva” de Deus (que diz respeito aos preceitos) é a regra de vida que ele designou para suas criaturas morais seguirem, indicando os deveres que elas têm que cumprir, ou que ele impõe sobre elas. Essa vontade está revelada na lei e no evangelho. É a norma estabelecida por Deus para todas as suas criaturas morais, sejam elas crentes ou não. Nessa vontade Deus prescreve o que nós devemos fazer (Sl 40:8; 2Cr 27:6; Sl 143:8, 10; Mt 7:21).
  3. A vontade secreta e a revelada Em Dt 29:29 diz que:
  • As coisas “encobertas” têm a ver com os segredos de Deus a respeito das pessoas. Enquanto a vontade decretória e a vontade de propósito podem dizer respeito às decisões em geral sobre a vida do mundo e o destino do povo de Deus, a vontade secreta pode ser uma indicação do que Deus faz na nossa vida pessoal e que é segredo, até que aconteça (Tg 4:13-14).
  • As coisas “reveladas” têm a ver com a regra de vida das pessoas, pois a própria passagem nos apontam para isso. Ele diz que “as coisas reveladas pertencem a nós e anossos filhos para sempre, para sempre, para que cumpramos as oakavras desta lei”. Essas coisas reveladas devem ser obedecidas como norma de comportamento para todo o povo de Deus (Ef 5:17).

APLICAÇÕES PRÁTICAS

  1. Devemos buscar conhecer a vontade de Senhor – As Escrituras nos convidam a buscarmos um conhecimento da vontade de Deus. A pergunta mais comum com respeito a saber qual é a vontade de Deus num caso específico é: “Como é que eu sei se essa é a vontade de Deus para a minha vida?”. Para responder a esse questionamento precisamos nos fazer algumas perguntas cruciais. Tais como:
    • É bíblico o que quero fazer?
    • Traz alguma edificação para mim o que quero fazer?
    • Será de grande ajuda para os outros o que quero fazer?
    • Há o perigo de me tornar escravo do que quero fazer?
    • Traz glória para Deus o que quero fazer?

Se fizermos alguma coisa que faça alguém tropeçar (1Co 10:32; Rm 14:13) ou que faça um irmão perecer (Rm 14:15), ou que não traga crescimento para outrem (1Co 10:24), não estamos fazendo algo que seja da vontade do Senhor. A vontade do Senhor é medida pelo que fazemos com o intuito de trazer glória a ele.

  1. Devemos praticar a vontade do Senhor  – Se procuramos conhecer a vontade do Senhor e nos esforçamos para compreendê-la, então devemos praticá-la. Há muitos cristãos que conhecem a vontade do Senhor, mas não a fazem (Lc 12:47). Todos nós deveríamos ter em alta conta a necessidade de praticar os preceitos que nos foram revelados.
  2. Esperemos pela manifestação final da vontade do Senhor – Há ocasião em que alguma coisa está acontecendo na nossa vida que não conseguimos entender. Já estudamos a Palavra de Deus, perguntamos a outras pessoas, mas ainda não temos uma resposta. A única saída para esse caso é esperar até que uma combinação de circunstâncias nos faça entender a vontade de Deus (Lm 3:25-33).

Publicado por Pr. Luiz de Souza

Não ousaria me definir em frases prontas ou palavras que prefiguram alguém que ainda esta em construção. Vivo para que Deus seja conhecido e busco conhecer cada vez mais esse Deus. Minha gratidão é plena ao ser alcançado e resgatado por Jesus, e por isso vivo para que Ele cresça e eu diminua cada vez mais. Pois "A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo". [Ef 3.8]

3 comentários em “A vontade Soberana de Deus

  1. Desculpe, Pastor, mas a frase abaixo é de sua autoria? Preciso tirar uma duvida porque vou mencioná-la em um vídeo. “Deus tem a supremacia em tudo porque é soberano sobre os homens e sobre toda a criação. A soberania de Deus é o exercício da sua supremacia. Ela indica que Deus está no trono exercendo seu governo absoluto sobre o universo, de fato e de verdade”.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

bombasonica

busque evolução e se liberte!

RACHEL SHEHERAZADE

Sermões | Artigos | Devocionais

Consciência Cristã

Sermões | Artigos | Devocionais

O Tempora, O Mores

Sermões | Artigos | Devocionais

Voltemos Ao Evangelho

um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

jonasmadureiradotcom.wordpress.com/

"Quebre os grilhões da cela, mas não se assuste se o prisioneiro não sair, talvez a cela seja absurdamente confortável."

Renato Vargens

Sermões | Artigos | Devocionais

%d blogueiros gostam disto: