A Teologia e sua relevância na vida Cristã.

Tema: O CONHECIMENTO SOBRE DEUS.

Autor: Pr. Luiz de Souza;

INTRODUÇÃO

O Dr. Keith Mathison diz que: “A vasta maioria dos cristãos professos tem pouco ou nenhum interesse em teologia. Nas mentes de muitos cristãos não existe nenhuma conexão necessária entre a teologia e sua vida cristã cotidiana. Eles acreditam que a teologia é irrelevante”[1].

Infelizmente, encontramos em algumas igrejas pessoas que afirmam: “precisamos de Jesus e não de teologia”. Tais indivíduos afirmam erroneamente que “estudar teologia é reduzir a Bíblia a uma caixinha”.

O professor e escritor de teologia sistemática Alister E. McGrath, em seu livro com o título “Teologia para amadores”, publicado pela editora: Mundo Cristão, em 2008, diz que:

A teologia não é — e não foi feita para ser — substituta das Escrituras. Em vez disso, trata-se de auxílio para aprender sobre elas. Como um par de lentes, põe foco no texto das Escrituras, permitindo que atentemos para o que talvez passasse despercebido. A doutrina está sempre subordinada às Escrituras; é sempre sua serva, nunca mestra[2].

A verdadeira teologia, parte das Sagradas Escrituras e produz no homem um profundo desejo de conhecer a Deus e com ele se relacionar.

A palavra teologia compartilha de um sufixo – logia, como ocorre na designação de muitas disciplinas e ciências, tais como biologia, filosofia e antropologia. O sufixo vem da palavra grega logos, que encontramos no começo do evangelho de João. O vocábulo grego logos significa “palavra”, ou “ideia”, ou, como um filósofo a traduziu: “lógica”. Portanto, quando estudamos a biologia, estamos considerando a palavra ou a lógica da palavra.

A primeira parte da palavra teologia vem do vocábulo grego theos, que significa “deus”. Portanto, a teologia é a palavra ou a lógica sobre Deus[3]. Teologia é uma palavra muito abrangente e refere-se não somente ao ser de Deus, mas também a tudo que Deus nos revelou na Escritura sobre seus feitos poderosos.

O apóstolo Paulo nos convida a vivermos de modo digno do Senhor, para o seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus – Cl 1.10. Crescer no conhecimento de Deus significa crescer em teologia.

Nesse sentido, como diz o teólogo R. C. Sproul: “Somos todos teólogos”. Se a Escritura nos convoca a crescermos no conhecimento de Deus, então, a busca desse conhecimento teológico é um ato de obediência cristã. Ela fará parte de nossa vida cristã.

O Dr. Keith Mathison faz uma analogia da relevância e importância da teologia na vida cristã abordando o seguinte aspecto:

Quando perguntaram a nosso Senhor Jesus Cristo: “Qual é o maior mandamento?”, qual foi a sua resposta? Ele disse: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento – Mt 22:37.

Você ama a Deus?

Se assim for, isso é bom, mas temos que escolher entre o amor a Deus e a teologia? Entre o amor a Deus e o conhecimento de Deus? Amor de Deus e conhecimento de Deus caminham juntos de mãos dadas. Se você realmente ama a Deus, você já tem um conhecimento mínimo de Deus, ou seja, uma teologia mínima. Se você não conhecesse absolutamente nada a respeito de Deus, se não tivesse nenhum conceito a respeito da sua existência, amá-lo seria impossível. Mas se você o ama porque conhece alguma coisa a respeito dele, deve haver um desejo de crescer em seu conhecimento dele – ou seja, crescer em sua teologia.

Não é isso que acontece quando nos apaixonamos pela primeira vez por uma pessoa? Encontramos com uma pessoa e, talvez, falamos com ela. Baseados no conhecimento que temos dessa pessoa, somos atraídos por ela. E, se somos atraídos por essa pessoa, se gostamos dele ou dela, o que queremos? Queremos conhecer mais. Nós falamos: “Conte-me mais sobre você; Conte-me sobre sua infância; fala sobre seus gostos, suas esperanças e seus sonhos…”. Então nós ouvimos; e quanto mais o nosso conhecimento a respeito dessa pessoa cresce, mais o nosso amor cresce.

Num sentido, isso é exatamente o que fazemos com a teologia. Estamos fazendo perguntas a Deus, para que possamos crescer em nosso conhecimento sobre Ele, e assim, em nosso amor por Ele.

Se organizarmos nossas respostas de maneira ordenada, temos o que chamamos de “Teologia Sistemática”. Se dizemos: O que tu podes dizer a respeito de mim mesmo e de outros semelhantes a mim? Temos a Antropologia Teológica, ou seja, a doutrina bíblica do homem. Nós podemos perguntar a Deus: O que há de errado conosco? Então teremos a Hamartiologia, ou seja, a doutrina do pecado. Se perguntarmos: Por que me escolhestes e como é que agora estou reconciliado contigo? Então temos a Soteriologia, ou seja, a doutrina da salvação. E assim por diante.

Millard J. Erickson (2012, Pág. 15-16) dá, de forma sucinta, uma resposta para aqueles que acham que teologia ou doutrina cristã são termos desnecessários e ameaçadores para a vida cristã. Ele diz:

A doutrina cristã é apenas a declaração das crenças mais fundamentais do cristão: crenças sobre a natureza de Deus; sobre sua ação; sobre nós, que somos suas criaturas; e sobre o que Deus fez para nos trazer à comunhão com ele.

A doutrina lida com verdades gerais ou atemporais sobre Deus e sobre o restante da realidade, não é apenas um estudo de eventos históricos específicos, tais como o que Deus fez, mas da própria natureza do Deus que atua na história. O estudo da doutrina é conhecido como teologia.

A teologia é Bíblica – Ela toma seu conteúdo principal das Escrituras do Antigo e do Novo Testamento.

A teologia é sistemática – Ela não examina cada livro da Bíblia separadamente, mas procura juntar em um todo coerente o que toda a Escritura afirma sobre dado tópico, tal como o pecado do homem.

A teologia é contemporânea – O alvo do labor teológico é conceituar verdades bíblicas atemporais de forma que sejam compreensíveis às pessoas que vivem hoje.

A teologia é prática – Paulo não expôs a doutrina apenas para informar seus leitores, de modo que tivessem mais dados. Antes, ele pretendia que a doutrina exposta fosse aplicada na vida cotidiana.

Em suma, a teologia tem sua relevância em toda a vida cristã, uma vez que ela nos fornece, de maneira organizada, as respostas contidas nas Escrituras Sagradas, que são a revelação de Deus.

Uma vez compreendida esta verdade podemos nos perguntar: Para quem não é a teologia e para quem é a teologia? Vejamos:

PARA QUEM NÃO É A TELOGIA?

  1. Não é para o mundo;

O mundo (os céus, a terra e tudo que nele existe), não precisa estudar teologia para saber que Deus existe que sustenta todas as coisas com sua poderosa mão; pois, naturalmente, o mundo criado por Deus expressa e manifesta a sua glória e esplendor.

O salmista declara: Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite – Sl 19:1-2.

Escrevendo aos cristãos em Roma, o apóstolo Paulo também diz a mesma verdade que o salmista declara a respeito do conhecimento acerca de Deus e seus atributos serem vistos claramente por meio das coisas criadas. Ele diz:

A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça; porquanto o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das cosias que foram criadas – Rm 1:18-20.

Em vista desta verdade, a teologia não seria necessária para o mundo criado por Deus – sendo Ele o seu autor e sustentador – uma vez que o seu esplendor e glória se manifestam naturalmente quando contemplados.

  1. Não é para o ímpio;

O conhecimento é uma linha divisória entre crentes e incrédulos. As Escrituras caracterizam os incrédulos como aqueles que não “conhecem a Deus”. Como, por meio da teologia, estudamos e conhecemos o ser de Deus e seus atributos, apenas aqueles que creem que Deus existe e que governa tudo e todos, tem a oportunidade de se aprofundar no conhecimento de Deus e ser edificado.

O apóstolo Paulo expressa essa verdade da seguinte maneira: Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria, aprove a Deus salvar os que creem pela loucura da pregação – 1Co 1:21.

Da mesma maneira, o profeta Oséias apresenta esta verdade quando diz: Ouvi a palavra do Senhor, vós, filhos de Israel, porque o Senhor tem uma contenda com os habitantes da terra, porque nela não há verdade, nem amor, nem conhecimento de Deus – Os 4:1.

O salmista ainda ensina no salmo 1 que o homem bem-aventurado se distingue dos ímpios por um motivo singular: … O seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite – Sl 1:2. Isto significa dizer que “… os ímpios não são assim…” – Sl 1:4. Não há prazer neles diante da verdade que o conhecimento de Deus lhes revela; pois suas obras são más e, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se lhes o coração insensato – Rm 1:21.

PARA QUEM É A TEOLOGIA?

  1. A teologia é necessária e relevante para a igreja;

A teologia é necessária e relevante para igreja, pois ela é chamada para proclamar o evangelho e discipular as nações. Em suma, ela deve proclamar a verdade de Deus. Ela deve instruir os irmãos a combater os falsos mestres e suas doutrinas; para isso, a igreja precisa ter o ensino verdadeiro das Escrituras em sua mente e coração.

Por conta de uma ausência de teologia consistente nos púlpitos, muitas igrejas têm produzido cristãos incapazes de reconhecer as heresias que lhes cercam e acabam vivendo suas vidas de maneira vazia e sem uma maturidade na fé.

Proclamar o evangelho, combater as heresias e adquirir uma maturidade na fé são frutos de uma igreja que possui uma boa teologia.

  1. A teologia é necessária e relevante para cada cristão individualmente;

Pensando assim, também entendemos que a teologia é relevante e extremamente importante para cada cristão, individualmente. Um discípulo de Cristo deve estar crescendo na graça e no conhecimento de Deus, pois é só desta maneira que ele terá condições de fazer e compreender a vontade do SENHOR, dando-lhe glória e louvor em tudo.

A teologia é tão necessária e relevante para cada cristão individualmente que o salmista expressa essa verdade ao dizer que ele “… é como árvore plantada junto a corrente das águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido”; isso porque “… o seu prazer esta na lei do SENHOR, e na sua lei  medita de dia e de noite”; por isso ele é “Bem aventurado…”. Perceba que a receita de todo esse sucesso está na condição do salmista diante das Escrituras; ele medita de dia e de noite. Meditar aqui é refletir.

A teologia é necessária para dar ao cristão, condições de refletir sobre o ser de Deus e seus atributos, e aplicar essas verdades de maneira tal que o impeça de agir como os ímpios, pecadores e escarnecedores; e o faça buscar a alegria abundante em seguir e obedecer às ordenanças de seu SENHOR.

CONCLUSÃO

O estudo da teologia é necessário e relevante porque nos ajuda a sermos mais ponderados e cuidadosos em nossos pensamentos e discurso sobre Deus. Ele nos ajuda a sermos transformados pela renovação de nossas mentes.

O Reverendo Dario de Araújo Cardoso[4] escreveu um artigo dando boas vindas aos alunos do CPAJ, falando da relevância pratica da teologia na vida cristã. Ele diz o seguinte:

O estudo da teologia é importante porque orienta a produção do conhecimento. A teologia nos informa sobre nossa capacidade de produzir e absorver o conhecimento.

Estudar teologia também nos orientará sobre a aplicação do conhecimento. O saber é uma poderosa ferramenta, ele nos habilita para o trabalho e para inúmeras realizações. Mas também pode se tornar uma arma destruidora. O preparo espiritual e moral habilita o homem para a realização de obras boas e valiosas para si mesmo e para a sociedade que o cerca. Quem estuda teologia não apenas aprende a “saber”, mas [também] aprende o que fazer com o que sabe.

Por fim, o estudo da teologia revela a finalidade de todo o conhecimento. Por meio dele, conhecemos a Deus e sua glória. Quando somos teologicamente orientados percebemos a perfeição de suas obras, todos os recursos que ele colocou no mundo para o nosso bem e a nossa alegria. Suportado pela teologia, o conhecimento deixa de ser um fim em si mesmo e passa a ser um meio de aperfeiçoamento e satisfação e chega à sua finalidade que é a adoração e o louvor a Deus, o criador de todas as coisas.

Por essas e outras razões, estudar teologia é uma atividade essencial para todos os homens. De uma forma ou de outra, todos somos teólogos. Através do estudo teológico preparamos corretamente a nossa mente e o nosso coração para pesquisa, aprender e realizar. Deus é o começo, meio e o fim de todas as coisas. Ele é imenso e infinito. Por isso, os saberes e conhecimentos são tão diversos e tão ricos. Estude teologia e toda a riqueza do conhecimento e da sabedoria se manifestarão diante dos seus olhos.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

ARTIGO Por: Keith A. Mathison. © Ligonier Ministries. Website: ligonier.org. Traduzido com permissão. Fonte: Why Study Theology? Original: Por que estudar teologia? © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Tradução: Alan Rennê. Revisão: Filipe Castelo Branco.

SPROUL, Robert Charles. Somos todos teólogos: uma introdução à teologia sistemática / R. C. Sproul | tradução de Francisco Wellington Ferreira. São José dos Campos, SP. Editora Fiel, 2017.

ERICKSON, Millard J. Introdução à teologia sistemática / Millard J. Erickson | tradução de Lucy Yamakami. São Paulo, SP. Vida Nova, 1997 – reimpressão em 2012.

[1] Artigo: Por que estudar teologia? © Voltemos ao Evangelho. Website: voltemosaoevangelho.com. Todos os direitos reservados. Tradução: Alan Rennê. Revisão: Filipe Castelo Branco.

[2] MCGRATH, Alister. Teologia para amadores. São Paulo: Mundo Cristão, 2008.

[3] SPROUL, 2017, pág. 16-17.

[4] Professor de teologia e coordenador do EAD do Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper (CPAJ), da Mackenzie.

Publicado por Pr. Luiz de Souza

Não ousaria me definir em frases prontas ou palavras que prefiguram alguém que ainda esta em construção. Vivo para que Deus seja conhecido e busco conhecer cada vez mais esse Deus. Minha gratidão é plena ao ser alcançado e resgatado por Jesus, e por isso vivo para que Ele cresça e eu diminua cada vez mais. Pois "A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo". [Ef 3.8]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

bombasonica

busque evolução e se liberte!

RACHEL SHEHERAZADE

Sermões | Artigos | Devocionais

Consciência Cristã

Sermões | Artigos | Devocionais

O Tempora, O Mores

Sermões | Artigos | Devocionais

Voltemos Ao Evangelho

um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

jonasmadureiradotcom.wordpress.com/

"Quebre os grilhões da cela, mas não se assuste se o prisioneiro não sair, talvez a cela seja absurdamente confortável."

Renato Vargens

Sermões | Artigos | Devocionais

%d blogueiros gostam disto: