O DISCÍPULO DE CRISTO: E o processo do discipulado!

TEXTO BÍBLICO: Lucas 9:23-27 (ARA).

 INTRODUÇÃO

Os cristãos de hoje estão perdendo de vista a sua verdadeira identidade com Cristo e esquecendo-se de que o seu Senhor irá voltar para buscá-lo. O cristão dos dias atuais está mais preocupado com reino deste mundo do que com o reino de Deus. Ele tem vivido neste mundo sem se preocupar com o por vir, achando que tudo se resume a esta vida.

Os cristãos dos dias atuais precisam urgentemente ser discipulados. Precisam receber as instruções de Jesus em relação ao Seu reino. Precisam compreender que este mundo passará e que Jesus Cristo voltará, em poder e glória junto com Deus-Pai e seus santos anjos, para buscar os seus verdadeiros discípulos. Mas para isso, o cristão dos dias atuais, precisa compreender o processo do discipulado; pois é neste processo que ele manifestará características de um verdadeiro cristão.

Esta cessão do livro de Lucas faz parte de uma série de instruções que Jesus começa a fazer para seus discípulos. A alimentação dos cinco mil homens marca o final do período chamado de “ministério na Galileia”, depois disso, Jesus começaria sua jornada rumo a Jerusalém. A partir de então, passaria mais tempo retirado cm os discípulos, preparando-os para o que os esperava futuramente.

Jesus traz seus discípulos para mais perto de si, a fim de instruí-los sobre verdades importantes a respeito do reino de Deus e sobre a sua segunda vinda. Esse processo que os discípulos são chamados para mais perto diz respeito a um discipulado, onde o Mestre-Jesus, dá instruções importantes para seus alunos-discípulos, preparando-os para a volta gloriosa de Cristo.

Esta passagem também é de extrema importância para a igreja do Senhor nos dias de hoje para que, os verdadeiros discípulos de Cristo possam compreender e se prepararem, antecipadamente por meio do discipulado, a manifestação do reino de Deus mediante os eventos passados, presentes e futuros.

O que o discípulo de Cristo precisa saber sobre o processo de discipulado?

I. NO PROCESSO DO DISCIPULADO, O DISCÍPULO DE CRISTO PRECISA NEGAR A SI MESMO (v.23).

a) Se alguém quer vir após mim: Esse chamado de Jesus traz algumas informações importantes.

  1. Se alguém…: Ele faz uma declaração publica a todos os discípulos (Lc 9:18-22; Mt 16:24). O discípulo não é apenas um seguidor de Jesus; é também, um aprendiz/aluno. Jesus estava cercado de seguidores, porém, dirige a fala apenas aos seus discípulos. É possível seguir a Jesus e ainda assim não ser seu discípulo, sendo apenas mais um na multidão;
  2. …quer vir após mim: a palavra “após” da ideia de ‘lugar/posição-atrás’ e de ‘tempo-depois’. Os discípulos precisavam compreender que negar a si mesmo significava estar atrás de seu mestre, ou seja, eles deveriam em primeiro momento “seguir” a Jesus e se colocar “atrás” d’Ele em submissão à sua liderança – isto é negar a si mesmo. Da mesma maneira, eles precisavam compreender que negar a si mesmo também significava, se tratando de tempo, ir depois de Jesus em continuidade de seu ministério; ou seja, ainda assim estariam sob a liderança de Cristo e continuariam seus discípulos trabalhando para o Senhor da seara – isto também é negar a si mesmo para fazer a vontade de seu Senhor (Lc 9:1-6; 10a).

b)…dia a dia tome a sua cruz e siga-me: Lucas é o único que acrescenta “dia a dia” à ordem de tomarmos a cruz, com o propósito de mostrar que o discipulado cristão é uma questão contínua, ininterrupta.

  1. tomar a sua cruz…: A cruz era um instrumento de morte, punição e humilhação. Pedro diz que Jesus é o “Cristo” de Deus (v.20); Jesus diz que o Filho do Homem iria sofrer muitas coisas, seria rejeitado e morto, mas que ressuscitaria ao terceiro dia (v.22); Jesus estava certo do que lhe aconteceria – mesmo que lhe custa-se a morte humilhante de cruz. Tomar a cruz significa renunciar todo um estilo de vida em favor do reino de Deus. Tomar a cruz significa embarcar numa viagem só de ida – isto significa identificar-se com Jesus em sua entrega, sofrimento e sacrifício, pois é impossível crucificar a si mesmo; só o que podemos fazer é entregar o corpo e deixar Deus cuidar do resto (Rm 12:1-2).
  2. …siga-me: A resposta final do discípulo que compreende que precisa negar a si mesmo é seguir o seu mestre. O discipulado é uma disciplina diária que levará o discípulo seguir seu mestre.

Aplicação

O apóstolo Paulo escrevendo aos Gálatas disse: “Os que pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e os seus desejos” (Gl 5:24 [NVI]). Negar a si mesmo é fazer morrer as paixões carnais diariamente para que sigamos a Jesus Cristo de maneira santa e irrepreensível, conforme diz o salmista: “Como são felizes os que andam em caminhos irrepreensíveis, que vivem conforme a lei do Senhor” (Sl 119:1 [NVI]).

 O Grupo Logos tem uma canção antiga chamada “Tome a Cruz” que a letra expressa essa verdade de maneira bem prática:

Quem pensa em servir a Jesus como o Senhor tem que dar-se totalmente e tomar a sua cruz. Toma a cruz! A Bíblia diz. Se você quer de Cristo ser servo útil preparado – Tome a Cruz!

Tomar a cruz não é carregar um peso, um fardo ou uma enfermidade que chegar, mesmo que chegar. Toma a cruz! A Bíblia diz. Se você quer de Cristo ser servo útil preparado – Tome a Cruz, eis o mandado! Tomar a cruz é testemunhar, mesmo que o mundo inteiro venha contestar[1].

O que mais o discípulo de Cristo precisa saber sobre o processo de discipulado?

II. NO PROCESSO DO DISCIPULADO, O DISCÍPULO DE CRISTO PERDERÁ A SUA VIDA PARA SALVÁ-LA (v.24-25).

a) A palavra “salvar” nesta passagem significa: resgatar do perigo ou destruição; estar livre das penalidades do julgamento messiânico. Esta é a condição para aquele que deseja perder sua vida para o mundo e ganha-la para Deus.

b) A palavra “perder-se” nesta passagem significa: sair inteiramente do caminho, perecer, estar perdido. Esta é a condição daquele que deseja ganhar o mundo inteiro em busca de viver.

c) Há um contraste entre ambas as atitudes que Jesus apresenta a seus discípulos. A primeira mostra uma pessoa que perdeu sua vida quando a salvou das paixões e desejos carnais. A outra atitude vem de uma pessoa que buscou ganhar a vida segundo as paixões e prazeres deste mundo, porém, causou dano a si mesmo ao perder a vida para o mundo.

d) Enquanto a primeira, por causa de Cristo, perdeu sua vida para o mundo e salvou-a; a segunda, por causa de si mesmo, ganhou o mundo inteiro e perdeu-se inteiramente.

e) J. C. Ryle (2013, Pág. 149-150) diz que “possuir o mundo e as coisas nele contidas jamais tornará alguém feliz”.

Aplicação

Lucas registra neste capítulo que Herodes soube da mensagem do evangelho que os discípulos haviam anunciado em todas as aldeias e das curas por toda parte, e logo associou estes fatos a João Batista, do qual havia mandado decapitar. O ponto aqui não é esse; na verdade o que nos chama atenção na passagem é o que é falado sobre João Batista. O texto diz: “João ressuscitou dentre os mortos” (v.7). De fato, no processo do discipulado, o discípulo que perder a sua vida “neste mundo” por causa de Cristo, salvá-la-á. Isto significa que ele de fato desfrutará de uma vida eterna com Cristo como Ele disse a seus discípulos: “Eu lhes dou vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão” (Jo 10:28 [ARA]).

Esta é uma verdade tão gloriosa que o apóstolo Paulo faz uma declaração aos cristãos em Éfeso dando a entender que ela já aconteceu nos planos eternos de Deus. Ele diz:

Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo – pela graça sois salvos, e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus; para mostrar, nos séculos vindouros, a suprema riqueza da sua graça, em bondade para conosco, em Cristo Jesus[2].

O que ainda o discípulo de Cristo precisa saber sobre o processo de discipulado?

III. NO PROCESSO DO DISCIPULADO, O DISCÍPULO QUE ASSUMIR-SE COMO UM VERDADEIRO CRISTÃO, PRECISA ESTAR CIENTE DE QUE O SEU MESTRE VOLTARÁ PARA BUSCÁ-LO E TORNÁ-LO PARTICIPANTE DO SEU REINO TRIUNFANTE (v.26-27).

a) …qualquer que de mim e das minhas palavras se envergonhar (v. 26a): Existem muitas maneiras de nos envergonharmos de Cristo. Somos culpados deste pecado quando temos medo de que as pessoas saibam que amamos as doutrinas, os preceitos, a igreja e as ordenanças de Cristo.

  1. Somos convocados a percorrer todos os lugares anunciando o evangelho (v.26b): Uma característica essencial do verdadeiro cristão é cumprir o chamado a pregar o evangelho em todos os lugares. Jesus convocou seus discípulos e lhes deu autoridade e poder para expulsar demônios e curar enfermos (Lc 9:1-6 [ARA]). Essa é a verdadeira identidade do cristão – continuar a missão que Cristo iniciou na terra pregando o evangelho de Deus, sendo suas testemunhas fiéis em todos os lugares. Lucas também registra essa verdade em Atos 1:8 [ARA].
  2. Somos chamados a assumir nossa identidade como cristãos: Lucas registra Jesus pedindo a seus discípulos um relatório de quem as pessoas diziam ser Ele, e seus discípulos responde; Jesus volta à mesma pergunta para eles agora e, Pedro toma a frente e diz És o Cristo de Deus” (Lc 9:20 [ARA]). É desta maneira que somos chamados a confessar, publicamente – assumindo nossa identidade com o Cristo de Deus: Se com tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo” (Rm 10:9 [ARA]). Pedro, alguns dias depois, não manteve a mesma confissão quando, publicamente, foi questionado sobre estar com Jesus. Ele respondeu: “Mulher, não o conheço (Lc 22:54-62).

b) …dele se envergonhará o Filho do Homem, quando vier na sua glória (v. 26b): Uma coisa o discípulo de Cristo não pode perder de vista é que o seu mestre voltará para buscá-lo. Este princípio é ensinado por Jesus em todo o tempo para os discípulos, principalmente quando ele faz o interrogatório a eles quando diz “É necessário que o Filho do homem sofra muitas coisas, seja rejeitado pelos anciãos, pelos principais sacerdotes e pelos escribas; seja morto e, no terceiro dia ressuscite (Lc 9:22), ou seja, tão certo era pra Ele a sua morte, também era a sua ressurreição.

  1. Dele se envergonhará o Filho do homem: Infelizmente muitos ficarão surpresos quando Jesus retornar com seus anjos para buscar o seu povo. Mateus registrou as palavras de Jesus sobre aquele que o negar diante dos homens e suas consequências (Mt 10:32-33); isto fica mais claro em Mt 25:31-46. A confissão de Cristo mostrará ao mundo que Ele não se envergonhou de morrer em nosso lugar; a prova disso é que Ele retornará para nos buscar ao invés de nos abandonar neste mundo (Jo 14:3).
  2. Quando vier na sua glória: Jesus fala de questões eternas com seus discípulos. Além de informar que voltará­ – mostrando que estará vivo, Ele também diz que não voltará em humilhação e abandono, como foi na sua morte – Ele voltará em glória, acompanhado de Deus-Pai e seus santos anjos.

c) Verdadeiramente, vos digo: alguns há dos que aqui se encontram que, de maneira nenhuma, passarão pela morte até que vejam o reino de Deus (v.27): Esta passagem também traz informações importantes para que o discípulo de Cristo compreenda sobre o processo de discipulado; embora ela não seja tão clara. Vejamos:

  1. Alguns comentaristas dizem que esta passagem está se referindo a alguns dos discípulos que teriam a oportunidade, antes de suas mortes físicas, de ver a glória de Jesus sendo confirmada. Eles baseiam suas teorias na passagem seguinte de Lucas que apresenta a Transfiguração de Jesus, onde apenas Pedro, João e Tiago testemunham este fato (Lc 9:28-36 [ARA]).
  2. Outros comentaristas falam que esta passagem está tratando de um evento, mais especificamente o Pentecostes, onde o reino de Deus é expandido com o poder do Espírito Santo que é derramado sobre os discípulos; e, com exceção de Judas, apenas os onze dos doze que estavam com Jesus contemplaram este momento de expansão e manifestação do reino de Deus.
  3. Minha visão em relação ao reino de Deus é aquela que acredita que ele foi instaurado na primeira vinda de Jesus – no momento exato que Jesus Cristo pisou na terra, ou seja, quando o “Verbo se fez carne e habitou entre nós” (João 1:14a), o reino de Deus foi inaugurado na terra; por isso o apóstolo João diz “… e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai” (João 1:14b). Em outras palavras, acreditamos que nesta passagem de Lucas (v.27), Cristo está se referindo à Sua manifestação gloriosa e acompanhada de seus santos anjos em sua segunda vinda à terra como Ele mesmo diz: “… o Filho do Homem, quando vier na sua glória e na do Pai e dos santos anjos” (v.26b); ou seja, Ele virá uma segunda vez, e como diz em Apocalipse “Eis que vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até quantos o traspassaram…” (Ap 1:7 [ARA]). No evangelho de Mateus também registra que “Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória” (Mt 24:30 [ARA]).

Sobre se Jesus irá voltar ou não, isto já ficou claro na passagem de Lucas que sim, Ele irá voltar. Mas, a passagem fala que alguns não passarão pela morte até que vejam o reino de Deus, ou seja, se enquanto que na primeira vinda de Jesus alguns dos que ali estavam não acreditaram no Seu reino de Poder e glória – enquanto tiveram a chance, acreditarão na ocasião de sua segunda vinda, porém, será tarde.

Veja o por quê desta nossa conclusão. Acompanhe conosco os significados e colocações de algumas palavras desta passagem em sua língua original:

  1. A palavra ‘passarão’ nesta passagem é γευομαι geuomai em sua língua original. Ela significa: provar, apreciar e/ou experimentar;
  2. Já a palavra ‘morte’ nesta passagem é θανατος thanatos em sua língua original. Ela era usada para dar a ideia de morte figuradamente indicando uma separação da alma do corpo, porém, há uma indicação de miséria no inferno; ou seja, no sentido mais amplo, a morte, incluindo todas as misérias que se originam do pecado, e inclui a morte física como a perda de uma vida consagrada a Deus e abençoada por Ele na terra, é seguida pela desgraça no inferno;
  3. A palavra ‘vejam’ nesta passagem é ειδω eido ou οιδα oida em sua língua original. Ela significa: perceber com os olhos; saber como; notar; observar; descobrir; discernir;
  4. A Palavra ‘reino’ é βασιλεια basileia e significa: realeza; governo; domínio. Fala do poder real de Jesus como Messias Triunfante, e do poder real e da dignidade conferida aos cristãos no reino do messias.

Agora, juntando os significados das palavras em sua língua original temos a seguinte conclusão: Jesus está dizendo que alguns dos que ali estavam não experimentariam e/ou provariam a desgraça e o sofrimento no inferno sem antes perceber com os seus olhos o governo e a realeza de Jesus, como o Messias Triunfante, na ocasião de sua segunda vinda em glória, juntamente com Deus-Pai e seus santos anjos. Esses que se envergonharam de Jesus e suas palavras apenas contemplarão com seus olhos esse dia ‘glorioso’ para alguns, porém, de ‘vergonha, choro e ranger de dentes’ para outros (1Jo 2:28; Lc 13:28).

CONCLUSÃO

A boa notícia para nós, que permanecermos fiéis a Cristo como seus discípulos, é que Ele virá não apenas para envergonhar os falsos discípulos, mas principalmente para buscar e honrar os seus verdadeiros discípulos. Para esses verdadeiros discípulos ele dirá: “Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo” (Mt 25:34 [ARA]).

Os falsos discípulos apenas verão o reino de Deus em sua glória e poder. Os verdadeiros discípulos não apenas verão, mas também participarão deste reino de glória e Poder juntamente com os santos anjos. O apóstolo João escreve em sua primeira carta às igrejas da Ásia Menor dizendo:

Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus; e, de fato, somos filhos de Deus. Por essa razão, o mundo não nos conhece, porquanto não o conheceu a ele mesmo. Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é[3].

O apóstolo Paulo também diz: “Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória” (Cl 3:4 [ARA]). Judas, que traiu Jesus, pode até ter se enforcado por remorso – causando a sua morte física, porém, Ele não passou para o abismo/inferno sem antes contemplar o reino de Deus e Jesus com seus santos anjos, em poder e glória – ele apenas contemplou, sem poder participar com os demais discípulos.

APLICAÇÃO

No processo do discipulado, o discípulo de Cristo que negar a si mesmo tomando a sua cruz diariamente e perder a sua vida para Cristo, salvá-la. Desta forma, ele se preparará, antecipadamente, para contemplar e ser participante, de maneira gloriosa, na manifestação final do reino de Deus quando Cristo se manifestar em glória, majestade e poder em sua segunda vinda a terra.

 

[1] Grupo Logos. Música: TOME A CRUZ – CD Pescador, 2006.

[2] Efésios 2:4-8 [ARA].

[3] 1João 3:1-2 [ARA].

Publicado por Pr. Luiz de Souza

Não ousaria me definir em frases prontas ou palavras que prefiguram alguém que ainda esta em construção. Vivo para que Deus seja conhecido e busco conhecer cada vez mais esse Deus. Minha gratidão é plena ao ser alcançado e resgatado por Jesus, e por isso vivo para que Ele cresça e eu diminua cada vez mais. Pois "A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo". [Ef 3.8]

Um comentário em “O DISCÍPULO DE CRISTO: E o processo do discipulado!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

bombasonica

busque evolução e se liberte!

RACHEL SHEHERAZADE

Sermões | Artigos | Devocionais

Consciência Cristã

Sermões | Artigos | Devocionais

O Tempora, O Mores

Sermões | Artigos | Devocionais

Voltemos Ao Evangelho

um site cristão por Cristo e pelo Evangelho

jonasmadureiradotcom.wordpress.com/

"Quebre os grilhões da cela, mas não se assuste se o prisioneiro não sair, talvez a cela seja absurdamente confortável."

Renato Vargens

Sermões | Artigos | Devocionais

%d blogueiros gostam disto: